16
Maio
17

A Pequena e Incrível Hero 5

Ok. Não sou lá muito viciado em tecnologia e sempre achei que a luz e a história que se tem para contar com ela são mais importantes para o fotógrafo do que a ferramenta que ele utiliza para escrever essas histórias. Mas não há como negar que uma boa “máquina de escrever” ajuda a fotografia a acontecer de maneira plena, aliando conteúdo e estética.

Por isso, algumas das ferramentas que carrego na bolsa ou no colete, marcaram a minha narrativa de contador de história ao longo dos anos. Foi assim com a lente de 50mm, com a desengonçada câmera de médio formato ou com o filtrinho polarizador, por exemplo

No último mês mais uma traquitana juntou-se a esse pequeno arsenal de coisas que afetam diretamente a maneira como conto minhas histórias: A simpática camerazinha GoPro Hero 5.

Quero falar um pouquinho sobre ela aqui, mas não vou me ater muito as características técnicas dela, afinal essas informações você encontra facilmente nos Youtubes da vida. O que quero é dar as minhas impressões sobre ela como fotógrafo profissional.

1. Tamanho:

A primeira coisa que chama a atenção sobre uma GoPro é o tamanhico dela. Como estou acostumado a trabalhar com as grandes e robustas SLR utilizadas no fotojornalismo, foi difícil levar a sério um equipamento tão pequeno. A primeira coisa que me passou pela cabeça foi: Qual o tamanho do sensor disso? Afinal tamanho de sensor e qualidade de imagem são duas coisas que andam de mãos dadas. Mas o fato é que os pequenos sensores têm evoluído drasticamente nos últimos anos. Prova disso são as câmeras de celulares que hoje são capazes de produzir imagens bastante aceitáveis em alguns casos.

Claro que a imagem capturada por uma GoPro não tem como competir de frente numa análise meramente técnica, com uma imagem produzida por uma DSLR full frame equipada com toda uma gama de objetivas. Mas a danadinha da GoPro conquista o seu lugar ao sol pela simples razão de que ela permite fazer coisas que seriam impossíveis (ou muito difíceis) para uma grande e pesada DSLR.

Ela foi criada literalmente para ser presa no bico de uma prancha por seu inventor surfista. Mas além de sua óbvia vocação para esportes de aventuras, ela acaba sendo bastante útil por não chamar a atenção (coisa que fotógrafos de rua adoram) e por poder estar sempre dentro do bolso (note que eu disse bolso e não bolsa). É uma companheira tão constante quanto a câmera de um celular, mas com grandes vantagens sobre esta.

2. Conectividade:

O pessoal da GoPro teve uma grande sacada ao torná-la quase que uma extensão de um celular. É possível controlar a câmera remotamente de maneira bem simples em todas as suas funções e visualizar o que ela esta vendo em tempo real na tela do seu telefone, além de poder compartilhar instantaneamente as imagens feitas por ela. Bem legal não? Isso abre um universo de possibilidades!

Por exemplo: Se você curte fotografar pássaros e fica sonhando em um dia ganhar na loteria para comprar uma fodástica 800mm, saiba que pode chegar bem perto desses simpáticos seres mudando a estratégia. Ao invés de “trazer o pássaro” até você com a teleobjetiva, “leve a câmera” até o pássaro utilizando o acesso remoto pelo celular. Deixe a GoPro perto de um ninho ou ponto de alimentação e divirta-se! Confira a simpática corujinha filmada assim no vídeo abaixo:

 

3. Acessórios:

Pense em um lugar para prender ou fixar uma GoPro. Pense num uso doido ou bizarro para ela. E pode ter certeza: existe um acessório ou sistema ideal para tornar isso possível. Sob a água, voando acoplada a um drone ou filmando estabilizada em um veículo de rally, controlada por voz, por rádio ou wifi. Uma das coisas mais divertidas dessa câmera é ficar imaginando qual será o seu próximo ponto de vista.

Aliás as câmeras de ação estão revolucionando a composição. A estética de imagens imersivas e com um ponto de vista pessoal estão cada vez mais presentes não só em vídeos de ação, mas também na publicidade, no fotojornalismo e até na fotografia social. Até mesmo no cinema essa pequenina faz grandes incursões tendo participado de produções como “Perdido em Marte” e “O Hobbit”

4. Recursos:

Ela tem todas essas coisinhas que os profissionais adoram: Fotografia em RAW, lente grande angular clara de f2.8, controle de exposição e vídeo 4K. Assim é possível manter o leque de opções criativas que temos em câmeras muito mais complexas. E por um preço justo.

Ela não substitui a versatilidade de uma DSLR, mas é uma boa aposta para complementar e ampliar o seu leque de opções independente da sua área de atuação.

Pode ter certeza que sempre haverá uma grande idéia que cabe dentro da pequena GoPro.

18424065_1343691129047173_7906406626988579786_n

Anúncios
28
Jul
16

Como se Proteger de Gás Lacrimogêneo

Desde as manifestações de 2013 os fotojornalistas estão tomando consciência da importância do uso de EPIs, mas por ser uma preocupação relativamente recente, ainda há muita desinformação e conceitos errados circulando por aí, como por exemplo o uso de vinagre como antídoto contra os efeitos do gás lacrimogêneo.

Mas afinal o que é esse tal de lacrimogêneo? Quais os seus efeitos e como se proteger efetivamente da sua ação?

_DSC5493Fernando Fernandes/ iStock

Na verdade existem dois tipos de gás: O CN e o CS. Ambos com efeitos muito parecidos, porém o CS é mais forte, embora se disperse mais rapidamente. Na prática os meios de proteção são os mesmos para as duas variações.

O gás – seja ele CS ou CN – é hidrossolúvel e é ativado em contado com as mucosas úmidas dos olhos, nariz e garganta, bem como pela pele suada ou molhada. Seus efeitos vão além das lágrimas e irritação podendo ocorrer:

– Ardência dos olhos com vermelhidão e lacrimejamento constante;

– Sensação de sufocamento;

– Tosse;

– Dor de cabeça;

– Irritação na garganta;

– Dificuldade de respirar;

– Sensação de queimadura na pele devido a reação do gás em contato com o suor e as lágrimas;

– Náuseas e vômito.

Como se proteger? A defesa mais eficaz é o uso de respiradores (máscaras) com filtros de carvão ativo que sejam voltados para uso contra vapores químicos (em especial a amônia), como por exemplo, o multigases 6006 da 3M. A linha 6000 tem cartuchos duplos em seus respiradores o que na prática é bem mais eficiente se você tiver que correr usando o respirador. Esses respiradores podem ser facilmente encontrados em lojas de equipamentos de segurança (EPI) e o conjunto de máscara e filtros sai por cerca de 100 Reais. Dicas: Guarde sua máscara montada com os cartuchos dentro de um saco plástico fechado para prolongar a vida útil dos filtros. Treine colocar o respirador com a respiração presa e de olhos fechados e deixe-o em local acessível durante o evento do qual estiver participando. Prefira as máscaras com bocal de silicone mais duráveis e confortáveis e teste antes da compra para verificar a vedação em seu rosto, especialmente se como eu, você usa barba!

_RGB5845.jpgLembre-se de que o uso do filtro correto é fundamental! Respiradores com proteção para partículas, como as máscaras de pintura, não oferecem proteção alguma. Outro mito, como mencionado no início deste texto, é o vinagre. O gás é alcalino e o ácido do vinagre em uma concentração de 5% pode neutralizar seus efeitos, porém seu uso é apenas indicado para aliviar irritações severas na pele caso a pessoa tenha sito exposta a concentrações muito elevadas de gás, o que não é comum. O vinagre não oferece proteção efetiva contra o gás inalado.

Foi pego de surpresa sem óculos e respirador? Corra afastando-se do local de preferência com os braços abertos e contra o vento. Só lave as áreas afetadas se dispor de água corrente em abundância, apenas molhar as áreas afetadas só irá agravar os sintomas. Troque de roupa assim que possível (aliás é uma boa ideia levar uma camiseta extra na sua bolsa) e guarde as roupas contaminadas em um saco plástico fechado para que não contaminem outras roupas ou objetos.

Os sintomas do gás normalmente desaparecem ou diminuem significadamente após a vítima voltar a respirar ar puro e passar por uma lavagem. Se após a exposição persistir algum sintoma – em especial a dificuldade de respirar – procure imediatamente suporte médico. As vezes será necessário se afastar da zona de conflito para solicitar o serviço de resgate, já que por diretriz de segurança, equipes de paramédicos não prestam socorro em locais de risco. Informe-se junto ao SAMU ou Corpo de Bombeiros e tenha sempre um plano de evacuação antes de iniciar a cobertura em uma zona de risco.

14
Mar
15

História da Foto: Maré ao Luar

Imagens noturnas e suas consequentes longas exposições podem gerar resultados bem interessantes.

A imagem abaixo está saindo do forno após uns dias na estação ecológica da Juréia-Itatins, no litoral sul de São Paulo, e foi feita com um tempo de exposição de um minuto e meio, utilizando uma objetiva de 50mm (ah… a boa e velha cinquentinha…), abertura de f5.6 e ISO 640

Um tripé é fundamental para longas exposições e para tempos superiores a 30 segundos é necessário um disparador com trava. Tudo que estava em movimento – no caso as nuvens e as ondas – foi borrado pela longa exposição e apenas a rocha aparece nítida na imagem. A iluminação foi cortesia de uma linda lua cheia que gerou essa luz difusa e etéria.

Pode não parecer, mas essa imagem foi feita por volta das nove da noite! Legal né?

9415

06
Jan
15

vinte anos depois

E a exatos vinte anos eu deixava de ser um fotógrafo “de bico” fazendo fotos nas festas da faculdade de fisioterapia para começar minha carreira profissional na Editora Imprensa que editava o jornal “O Imparcial” em Presidente Prudente no interior de São Paulo.

De lá pra cá trabalhei em vários jornais e revistas, grandes e pequenos, montei minha própria agência, investi em bancos de imagem, montei um estúdio e por fim encontrei dentro da minha paixão a minha maior realização que é lecionar.

Me formei dentro da fotografia analógica, entre rolos e mais rolos de Provias e Velvias tendo por muito tempo a maravilhosa F4 como fiel companheira. Uma câmera que além de fotografar é ótima para bater bife e calçar pneu de carreta. Fui laboratarista e ainda hoje acordo no meio da madrugada suando frio, com o coração disparado e sentindo o cheiro de Dektol Kodak…

Torci o nariz para o surgimento da fotografia digital, me rendi a ela no momento certo, mas nunca abandonei a companhia dos meus cromos. Acredito que tive muita sorte de pertencer a última geração de profissionais que teve que conviver a fundo com esses dois universos opostos muito mais interligados do que imagina a nossa vã filosofia.

Passei por m83A0696uitos perrengues e mesmo por alguns sérios momentos de risco de vida. É sempre um choque descobrir que a própria carne não é a prova de balas. Mas esses momentos foram muito úteis para me ajudar a ver a vida numa perspectiva peculiar. Mergulhei em uma profissão que me coloca diariamente em contato com pessoas e coisas das mais variadas nas mais diferentes situações. Vi e vivi do melhor e do pior nesses anos. Vivo intensamente por isso.

Tive e ainda tenho que me reinventar constantemente em uma jornada onde um dia nunca é igual a outro e embora isso possa parecer sedutor num primeiro momento requer uma impassibilidade de monge tibetano.

Tem sido uma boa vida pautada na paixão e na liberdade onde eventualmente ter passado fome acaba sendo apenas uma piada para ser compartilhada com os amigos durante um jantar. E que venham mais vinte anos!

05
Jan
15

Mini curso de fotografia básica na LUNAPRESS

101

Nesse mini curso com 5 aulas e carga horária de 20 horas, totalmente prático e com turmas reduzidas você terá contato com as principais funções de sua câmera SLR:

– Velocidade e abertura
– ISO
– Balanço de branco
– Fotometria
– Modos de foco
– Formatos de arquivo JPEG e RAW
– Modos de exposição manual e de prioridades a velocidade e abertura
– Uso do flash

O curso será composto por 04 aulas no estúdio da LUNAPRESS as segundas, quartas e sextas a partir das 19:30h e uma aula no centro histórico de São Paulo no domingo (dia 18) a partir das 14:30h.

As atividades serão coordenadas pelo fotógrafo documentarista Fernando Fernandes, colaborador da iStock e Getty Images e docente de fotografia do SENAC.

Valor do investimento: R$ 280,00

Mais informações: (11) 97125-3019

06
Nov
14

Leitura de Portfólios na lunapress!

Leitura de Portifólios

15
Ago
14

Araquém Alcântara no Senac Jundiaí

Pueblo!

Ainda há vagas pra palestra do Araquém Alcântara na próxima quarta dia 20 de agosto no Senac de Jundiaí. Cêis não vão perder essa boiada né? Ainda mais que é “de gratis!”

Corre no site e faz a sua reserva vivente!

Preguiça de digitar no Google? Toma aí o link:

http://www.sp.senac.br/jsp/default.jsp?newsID=DYNAMIC,oracle.br.dataservers.ContentEventDataServer18,selectEvent&template=949.dwt&event=2279&unit=JUN

Ou vai querer que eu pegue pela mãozinha?




Sobre o Autor:

Fotojornalista com trabalhos publicados em alguns dos principais jornais e revistas nacionais, tais como Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, O Globo, Istoé, entre outros.

Atualmente dirige a Agência Fotográfica Lunapress e também é docente do SENAC lecionando fotografia na unidade Jundiaí.

Colabora com diversos bancos de imagens internacionais com destaque para a iStockphotos e a Getty Image para os quais fornece principalmente imagens sobre a América Latina.

Fotografou para diversos veículos institucionais e é responsável pelo desenvolvimento da tecnologia de fotografia em “hight-speed” adotada pela Faculdade de Engenharia de Minas da USP para registrar o comportamento de partículas em reatores de flotação.

Imagens da América do Sul

Imagens do Brasil