29
Maio
10

Sobre lentes e linguagem

A lente que você escolhe no momento de fotografar não determina apenas a distância focal ou a profundidade de campo da imagem que será capturada. Mais importante do que isso, determina a sua relação com o objeto fotografado.

De um modo geral quando se trabalha com grande angulares, por exemplo, é necessário que o fotógrafo se aproxime de seu tema e isso gera uma série de implicações: O fotógrafo é obrigado a ter uma interação muito mais profunda com a cena que está registrando e muitas vezes passa a fazer parte dela.

Pessoas presentes na cena registrada fatalmente irão reagir de alguma maneira a uma presença tão íntima do fotógrafo e este deverá ter a sensibilidade necessária para conduzir essa interação para a história que está narrando em sua fotografia. Não existe neutralidade ao se trabalhar com grande angulares ao fotografar pessoas.

Mesmo quando os retratados passam a se comportar de forma mais espontânea, isso significa que houve uma relação de aceitação e confiança entre os dois lados da objetiva.

Procissão de Ramos em San José de Chiquitos – Bolívia: Lente 24mm em f8 com 1/80s. ISSO 400 (Câmera Nikon D700)

A grande profundidade de campo e principalmente a perspectiva exagerada das grande angulares confere à imagem uma dramaticidade que não ocorre em lentes mais longas. Por essa razão essas lentes são as prediletas na linguagem do fotojornalismo clássico onde vale a regra de que se a imagem não ficou boa é porque você não se aproximou o suficiente.

Quando o fotógrafo não está apenas vendo a cena, mas sim participando da mesma, permitindo que todos os seus outros sentidos, além da visão, capturem o momento ele passa a fazer parte da história e não apenas a registrá-la. E isso carrega inúmeras conseqüências pessoais, autorais e mesmo éticas e morais.

No extremo oposto estão as teleobjetivas que permitem ao fotógrafo um certo distanciamento do assunto retratado. O fotógrafo passa a ficar de fora da cena registrada e a aparente imparcialidade dessa posição permite uma maior espontaneidade das pessoas retratadas. O menor ângulo de cobertura e o achatamento dos planos são um convite para explorar os detalhes, isolando fragmentos dentro de uma narrativa maior.

Fiesta Del Gran Poder – La Paz – Bolívia: Lente 135mm em f2.8 com 1/800s. ISO 400 (Câmera Nikon D700)

Se por um lado a teleobjetiva provoca uma certa frieza gerada pelo distanciamento, por outro permite uma rica captura de expressões e ações das quais o fotógrafo não é ator, mas sim espectador.

Sair da cena e afastar-se da história produz um relato menos passional mais alinhado com uma linguagem científica e antropológica, por exemplo. A cena se desenvolve a frente da lente com pouca ou nenhuma interferência do fotógrafo. Mas isso não significa que o fotógrafo não está produzindo uma interferência na narrativa, já que ao determinar quais os fragmentos da cena que serão enquadrados e registrados estará atuando como um filtro sobre a realidade que está documentando.

Independente de sua posição em relação à cena, a colcha de retalhos que compõe os instantes registrados em uma narrativa fotográfica é o resultado autoral dessa narrativa. E como a fotografia não se faz através dos olhos, mas sim do cérebro a bagagem pessoal do autor será refletida através das suas lentes. As lentes nos contam muito sobre a relação do fotógrafo com a cena registrada.

A teleobjetiva diz: “Eu vi” enquanto a grande angular diz: “Eu vivi”.


6 Responses to “Sobre lentes e linguagem”


  1. 29/05/2010 às 19:07

    Oi Fernando, vim ao seu blog pelo orkut.
    Gostei do seu blog, pois ensina técnicas diversas a amadores, como eu.
    Gostaria de lhe perguntar uma coisa:

    Tenho uma Canon Sx200 IS, câmera compacta, mas tem controle de prioridades, pelo menos já dá para treinar como mexer em abertura, ISO, etc.

    Gosto de fotos Macro e essa câmera permite macros a 1cm do objeto, porém como ela tem lente de aproximadamente 28mm, o assunto não fica muito perto não, ouvi dizer que lente de 35mm (nas compactas) seria melhor para as macros.

    Tem algum jeito de eu aumentar a imagem (foto) macro, direto na hora de bater a foto? Tipo colocar uma lente de aumento antes da lente da câmera ?

    Não sei se falo bobagem, por isso a pergunta pois sou totalmente amador nesse ramo.

    Agradeço desde já a atenção.

    • 30/05/2010 às 12:51

      Oi João!

      Eu não conheço o modelo que você citou, mas algumas câmeras compactas permitem o uso de um acessório chamado filtro close-up que é uma lente auxiliar rosqueada sobre a objetica. Dê uma pesquisada para saber se a sua câmera suporta o uso desse filtro. Ele irá proporcionar um ganho considerável nas suas fotos, embora provoque distoções nas bordas da imagem.

      Quanto maior for a distância focal usada maior será a ampliação final da imagem em macro. Uma das lentes macro profissionais mais utilizada, por exemplo, é a 105mm

  2. 08/06/2010 às 08:55

    Bom dia Fernando,
    Adorei o seu blog, e gostei bastante da sua visão em relação ao mundo fotográfico. Posso dar uma sugestão? Acho super importante a parte dos contratos para agências/eventos, pois assim como eu muita gente teme ser vítima de futuros golpes(ainda mais amadores que estão iniciando na área). Se possível seria legal ter uma materia assim no seu blog.

    Abraços

    • 08/06/2010 às 17:51

      Oi Agatha!

      Sugestão anotada! Mas pra ir adiantando sugiro uma visita ao sites da ABRAFOTO e também ao Portal do Autor do Sindicato dos Jornbalistas (http://www.portaldoautor.org.br/).

      Nesses dois endereços você irá encontrar muitas informações sobre a legislação, modelos de contrato e direito autoral.

      E assim que possível eu preparo uma matéria sobre o assunto aqui para o blog.

      Abraços!

      • 5 Agatha Nelsis
        21/06/2010 às 18:24

        Oi Fernando tudo bem? Queria agradecer pelos links da Abrafoto e Portal do Autor no seu blog.
        Se não for muito incomodo você poderia tirar uma dúvida minha? Andei lendo nos tópicos pelo orkut e em fórum sobre a questão da câmera ter ou não motor de foco no corpo. Eu estava pensando nas vantagens/desvantagens da D90 e a D5000(seria minha primeira câmera dslr). Com a d90 eu pagaria mais caro, porém eu teria mais variedade de objetivas já que a d5000 só me permitiria objetivas com AF-S. Entretanto com a d5000 me informaram que marcas como a tamron, por exemplo, sai mais barata que certas AF.
        Como não conheço nenhum fotográfo experiente nesse assunto gostaria de saber qual seria mais adequada no seu conceito, pois eu quero levar a fotográfia como profissão.
        Obrigada pela atenção
        Abraços

  3. 6 Corrêa dos Santos
    18/04/2012 às 08:46

    Sou fotografo há mais de 60 anos mas aprendi mais alguma coisa, depois desta “lição”. Parabens e . . . muito obrigado.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Sobre o Autor:

Fotojornalista com trabalhos publicados em alguns dos principais jornais e revistas nacionais, tais como Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, O Globo, Istoé, entre outros.

Atualmente dirige a Agência Fotográfica Lunapress e também é docente do SENAC lecionando fotografia na unidade Jundiaí.

Colabora com diversos bancos de imagens internacionais com destaque para a iStockphotos e a Getty Image para os quais fornece principalmente imagens sobre a América Latina.

Fotografou para diversos veículos institucionais e é responsável pelo desenvolvimento da tecnologia de fotografia em “hight-speed” adotada pela Faculdade de Engenharia de Minas da USP para registrar o comportamento de partículas em reatores de flotação.

Imagens da América do Sul

Imagens do Brasil


%d bloggers like this: