31
Maio
11

Fotografia de Palco

A fotografia de palco apresenta alguns desafios próprios: Existe pouca luz e ela costuma mudar rapidamente. Grande parte dos equipamentos de iluminação utilizada em palco produz uma luz dura que resulta em alto contraste e grande saturação de cores.

Bonito para os olhos, mas complicado para a câmera. Além disso, normalmente há uma distância razoável entre o que está acontecendo no palco e o fotógrafo e a mobilidade é limitada.

O equipamento “ideal” para essa situação seria uma tele zoom como a 70-200mm clara (f2.8) e uma câmera full frame com baixa densidade de pixels para diminuir a presença de ruído digital que fatalmente ocorrerá ao utilizarmos ISOs mais elevados para compensar a baixa luminosidade do ambiente.

Mas o “ideal” nem sempre é o que os fotógrafos iniciantes têm a mão no momento de se posicionarem frente a um palco para trabalhar. Normalmente o equipamento disponível é uma câmera de sensor pequeno e uma tele escura de f3.5 ou mais. Contudo é possível conseguir resultados satisfatórios com esse tipo de equipamento, embora o processo seja um pouco mais trabalhoso, especialmente durante a etapa de tratamento das imagens.

 Balé Folclorico de La Paz em apresentação no Teatro Municipal de Sucre na Bolívia

Algumas dicas:

Na hora de fotografar:

  • Escolha um ISO que fique um pouco abaixo do máximo disponível na câmera. Por exemplo: Se a câmera atinge um valor máximo de ISO de 3200 utilizar um valor ente 800 e 1000, se possível , para minimizar a ocorrência de ruído.
  • Uma lente zoom muitas vezes apresenta uma claridade variável. Por exemplo: Uma 70-200mm que seja f3,5-5,6. Isso significa na prática que quanto mais utilizarmos o zoom, mais escura estará a objetiva. A claridade da lente será de 3,5 na posição de 70mm, mas apenas de 5,6 quando em 200mm. Portanto tente se posicionar o mais próximo possível do palco para não ter que solicitar muito do zoom da lente.
  • Sempre que possível utilize um tripé ou monopé para dar estabilidade à câmera. Na falta de um apoio próprio improvise algum, como, por exemplo, o encosto de uma cadeira ou poltrona da platéia.
  • Escolha os momentos em que as pessoas no palco estejam se movendo pouco para prevenir borrões causados pelo movimento (a não ser é claro que você esteja buscando exatamente isso). Lembre-s e de que movimentos amplos do corpo (como um braço descrevendo um círculo no ar) produzem velocidades relativas diferentes. Assim as pontas dos dedos estarão se movendo muito mais rapidamente do que a articulação do ombro. Portanto é bem possível que as mãos apresentem um borrão enquanto o resto do braço apresenta uma definição melhor. Escolha o momento menos crítico para clicar.
  • Se a luz muda rapidamente escolha o modo automático para poder se concentrar melhor na cena e deixar o ajuste de exposição por conta da câmera.
  • A fotometria matricial é feita através da leitura média da luz de todo o quadro da cena. Na maioria das vezes esse modo resolve bem a questão, mas em casos de contraste intenso (como um único spot de luz clara sobre um personagem com o resto do palco escuro) uma leitura de luz pontual será mais precisa.
  • Se a sua câmera apresenta a opção de gerar arquivos em RAW aproveite! Dá um pouquinho mais de trabalho do que o bom e velho JPEG, mas permite um controle bem melhor no tratamento das imagens.

Na hora de tratar as imagens:

  • É comum que a iluminação de palco resulte em imagens com uma saturação exagerada. Ajuste a saturação e também o contraste.
  • Pequenos recortes de enquadramento podem valorizar muito as fotos.
  • Existem diversos plugins voltados para a redução de ruído, além da ferramenta própria do Photoshop para isso. De todos que experimentei achei que o Noiseware Professional da Imagenomic foi a opção mais completa e simples de usar, com um bom resultado final.

4 Responses to “Fotografia de Palco”


  1. 14/06/2011 às 03:24

    Muito bom e didático texto, Fernando!

    Um elemento importante que seria interessante acrescentar é um estudo preliminar dos artistas. Cada um deles possui uma forma peculiar de se expressar com tiques, movimentos, aberturas labiais, posturas com o microfone, etc. Antes de se iniciar o processo das fotos, o fotógrafo deve guardar uns 5 ou 10 minutos para fazer este estudo. É justamente destas expressões e movimentos que saem as melhores e mais interessantes fotos.

  2. 21/06/2011 às 16:54

    Eu faço várias coisas diferentes. Uso o modo de prioridade de abertura, assim a câmera calcula o tempo de exposição e travo a abertura. Mas a de D90 tem um recurso ISO automático bem interessante. Ele tem 3 parâmetros, o ISO mínimo, o ISO máximo e um tempo de exposição. Dependendo da dança, da luz e da lente, eu mudo este tempo para 1/30 ou 1/60 ou mais rápido. A câmera tenta manter este tempo de exposição, variando o ISO dentro destes limites. Se atingir o ISO máximo e não der para cumprir o tempo de exposição, aí ela aumenta o tempo de exposição. Se atingir o ISO mínimo e não der para cumprir tempo de exposição, ema diminui o tempo de exposição.

    Tripé pode não ser prático, mas monopé sim. Lente com estabilizador ótico ajuda MUITO.

    A Nikon tem uma medição matricial que tenta expor ao máximo sem estourar. Ela pode chegar à beira de estourar, mas sem estourar, pelo que vi. Eu costumo usar média com prioridade central, e costumo trabalhar com compensação de exposição, para resolver. É aceitável subexpor um pouco, mas o estouro causa perda de informação, e é isto que é bom ser evitado.

    O tipo de lente depende da distância. Claro que lentes claras ajudam em muito.

  3. 4 Graziela
    29/07/2011 às 23:29

    Olá Fernando, amei as dicas, tava precisando disso, há tempos estou brigando com minha câmera porcausa de fotos de shows, de palco em geral. As luzes não param de trocar de cores e o palco geralmente é bem escuro. Vc falou de tudo menos da velocidade, minha lente é escura, aumento o ISO, mas não acompanha o diafragma, tento compensar na velocidade, mas vira merda. Assim só comprando outras lentes mais claras (como vc disse) ou trocar de NIkon mesmo. Bem, amo fotos em movimento e com pouca luminosidade, mas nesse caso acho que vai mais da técnica (ou seja, do equipamento) do que do fotógrafo, pois no meu caso eu já tenho mta afinidade com o palco e as apresentações, sei o momento da imagem, mas realmente os recursos da câmera parece q não ajudam.
    Agradeço de coração por essas dicas valiosíssimas!
    Beijo,
    Grazi


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Sobre o Autor:

Fotojornalista com trabalhos publicados em alguns dos principais jornais e revistas nacionais, tais como Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, O Globo, Istoé, entre outros.

Atualmente dirige a Agência Fotográfica Lunapress e também é docente do SENAC lecionando fotografia na unidade Jundiaí.

Colabora com diversos bancos de imagens internacionais com destaque para a iStockphotos e a Getty Image para os quais fornece principalmente imagens sobre a América Latina.

Fotografou para diversos veículos institucionais e é responsável pelo desenvolvimento da tecnologia de fotografia em “hight-speed” adotada pela Faculdade de Engenharia de Minas da USP para registrar o comportamento de partículas em reatores de flotação.

Imagens da América do Sul

Imagens do Brasil


%d bloggers like this: