08
Ago
12

Pintando com Luz

A foto abaixo foi feita em uma aldeia Xavante próxima a Serra do Roncador no norte do Mato Grosso.  Diariamente, após o por do sol, os homens da aldeia se reúnem no pátio central para discutir os últimos acontecimentos e as questões relacionadas à comunidade. Essa reunião chamada de “Warã” também acontece pouco antes do nascer do sol para definir as atividades do dia.

Eventualmente a Warã é seguida de uma roda de canto com a participação também das mulheres, adolescentes e crianças. Como tudo na cultura Xavante a dança é uma experiência forte e registrar a sua intensidade foi um desafio.

Tecnicamente as condições eram bem desfavoráveis: O sol já havia se posto, não havia luar, nem outra fonte de iluminação alternativa por perto. A dança é realizada em total escuridão em um espaço amplo e vazio.

Utilizar um flash estava completamente fora de questão: Sua luz iria incomodar os participantes e interferir de forma negativa na cena, além de provavelmente gerar um efeito duro e pouco natural.

A saída foi utilizar uma técnica conhecida como “Light Painting” que pode ser traduzida como “Pintar com Luz”. Para isso foi utilizado um tripé (aquele acessório grande e trambolhudo que muitas vezes a gente tem preguiça de carregar, mas que salva o dia mais do que se imagina), uma objetiva fixa de 20mm e uma pequena lanterna de mão.

Os índios estão acostumados com o uso de lanternas então a sua luz não era um incomodo. Deixei a câmera posicionada no tripé com o foco manual já pré estabelecido e fui participar da dança para ajudar a quebrar o gelo. Durante uma pausa aproveitei para sair da roda deixando um espaço aberto em frente a câmera de modo que fosse possível mostrar o seu interior oferecendo uma sensação de maior intimidade ao espectador.

A opção por uma exposição bem longa foi para garantir o registro das estrelas e das nuvens no céu que reforçam a dramaticidade e intensidade da imagem. Com movimentos rápidos feitos com a lanterna apontada para os participantes da roda durante uns 4 ou 6 segundos foi possível garantir o registro das pessoas de forma razoavelmente nítida.

A imagem da roda foi registrada nesses poucos segundos de exposição à luz da lanterna. O restante do tempo serviu para registrar o céu enquanto a roda permanecia na escuridão. Podemos então considerar que há duas exposições nessa imagem: Uma para o céu e outra para as pessoas na roda.

Assim foi possível registrar um momento cotidiano da aldeia com um mínimo de interferência.

A seguir os dados EXIF da imagem:

  • Câmera: Nikon D700
  • Modo: Manual
  • Objetiva: 20mm f2.8
  • Abertura: 2.8
  • Tempo de exposição: 30 segundos
  • Iso: 1250

0 Responses to “Pintando com Luz”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Sobre o Autor:

Fotojornalista com trabalhos publicados em alguns dos principais jornais e revistas nacionais, tais como Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, O Globo, Istoé, entre outros.

Atualmente dirige a Agência Fotográfica Lunapress e também é docente do SENAC lecionando fotografia na unidade Jundiaí.

Colabora com diversos bancos de imagens internacionais com destaque para a iStockphotos e a Getty Image para os quais fornece principalmente imagens sobre a América Latina.

Fotografou para diversos veículos institucionais e é responsável pelo desenvolvimento da tecnologia de fotografia em “hight-speed” adotada pela Faculdade de Engenharia de Minas da USP para registrar o comportamento de partículas em reatores de flotação.

Imagens da América do Sul

Imagens do Brasil


%d bloggers like this: