Posts Tagged ‘Texto

10
Dez
13

Umburanas

Meu avô Floriano me ensinou quando eu ainda era criança que andar com algumas sementes de Umburana no bolso da calça ao caminhar pelas matas era um seguro garantido contra o encontro acidental com alguma jararaca.

O segredo era que as sementes tinham que ser em número ímpar: 3, 5 ou 7, não importava, mas o cheiro ímpar e adocicado daquelas sementes seria por alguma razão odiado pelas cobras.

Durante anos andei com aquelas sementes guardadas em um pequeno estojo feito com um coquinho de babuçu pela minha bisavó… Ainda guardo com carinho o estojo, mas a décadas que não sinto aquele cheiro adocicado da Umburana.

E hoje, do nada, essa lembrança olfativa saltou de algum canto empoeirado da minha memória e o aroma das pequenas sementes secas com suas estrias negras e irregulares subiu pelas minhas narinas. Haverá alguma cobra rondando por perto? Vai saber…

O fato é que independente das cobras essa lembrança de outra vida vivida em outro mundo baseada em um conhecimento perdido e hoje inútil me fez sorrir e pensar com carinho naqueles espíritos que se foram de fora, mas que vivem dentro de mim com o seu sangue correndo por minhas veias.

Anúncios
09
Fev
10

O Velho Messias

Messias não tinha exatamente uma idade. Era velho de vivido, pele negra ressecada ao sol cobrindo um corpo magro, austero e um olhar amarelado de quem não quer dizer muita coisa.

 A perna coxa, resultado de um encontro casual com alguma jararaca em suas andanças na lida diária pela restinga, também não era tão coxa assim. Mas se fazia coxa o suficiente para livrar o resto de seu corpo dos trabalhos mais pesados nas plantações de banana.

Por conta disso cabia ao velho Messias tarefas mais amenas: Capinar o terreno atrás da casa onde nós, crianças, brincávamos e tentar nos manter livres do inevitável contato com cobras, aranhas e outros grilos. Cuidava dos cavalos, quando havia cavalos, buscava alguma compra na venda perto dos trilhos do trem… Salgar o peixe ele não salgava, pois achava isso coisa pra mulher.

Alguns prazeres chegavam ao velho pela boca desde sempre: A cachaça com Cambuci, o pirão de peixe, a farinha, a pimenta… Ah a pimenta! Sublime tempero para qualquer coisa, em qualquer tempo. Curtida durante meses num vidro de tampa enferrujada era sempre posta à mesa com toda pompa e cerimônia.

O velho não dizia, talvez por não saber dizer,  mas é certo que algumas coisas chegavam até sua alma. A chuva pesada, trazida pelo vento sudoeste, chicoteava e atravessava a pele nua do seu peito e lavava seu coração. Messias era filho de Iansã, a dona das tempestades e dos trovões.

Mas o que enchia o velho caiçara de prazer era tomar conta da propriedade. Imbuído da autoridade conferida pela velha espingarda passarinheira de cano muito longo e por um estoque de dois ou três cartuchos soltos dentro do bolso, percorria os caminhos da restinga com agilidade impressionante, fazendo faceiro a ronda pelas trilhas e picadas do entorno. Orgulhoso, esquecia que a perna seria coxa, e andava altivo nos informando de sua posição de tempos em tempos com seu outro tesouro: O apito.

E assim dormíamos na casa, tranqüilos e seguros, ao som distante do apito do velho Messias a nos lembrar que a Lei e a Ordem estavam garantidas na restinga. Pelo menos até que ele, cansado de tanto orgulho, também adormecesse na areia da praia.




Sobre o Autor:

Fotojornalista com trabalhos publicados em alguns dos principais jornais e revistas nacionais, tais como Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, O Globo, Istoé, entre outros.

Atualmente dirige a Agência Fotográfica Lunapress e também é docente do SENAC lecionando fotografia na unidade Jundiaí.

Colabora com diversos bancos de imagens internacionais com destaque para a iStockphotos e a Getty Image para os quais fornece principalmente imagens sobre a América Latina.

Fotografou para diversos veículos institucionais e é responsável pelo desenvolvimento da tecnologia de fotografia em “hight-speed” adotada pela Faculdade de Engenharia de Minas da USP para registrar o comportamento de partículas em reatores de flotação.

Imagens da América do Sul

Imagens do Brasil